Gado de leite: conheça as principais características produtivas

5 min de leitura

A cadeia produtiva de leite e seus derivados têm um papel muito importante na economia brasileira. Atualmente o Brasil é o terceiro maior produtor de gado de leite do mundo, com cerca de 34 bilhões de litros/ano. Nossa produção é predominante em pequenas e médias propriedades, trazendo renda para cerca de 4 milhões de pessoas.

Podemos dizer que o aumento na produção de leite que observamos em nosso país nos últimos anos se deve ao processo acelerado de adoção de tecnologias, especialmente as relacionadas a seleção genética dos animais, melhorias no manejo e na nutrição adequada dos rebanhos. Ou seja, o produtor de leite enxerga que para ser rentável é necessário investir e obter a máxima produção por área. 

Quando falamos em gado leiteiro e produção de leite, um ponto que devemos levar em consideração são as diferentes condições climáticas. O Brasil é um país com grande extensão territorial e em função disso, para cada região temos características climáticas distintas, sendo um desafio para as raças de gado de leite não aptas ou adaptadas às regiões em que estão inseridas. 

De maneira geral, as raças de bovinos de leite são divididas em Taurinas e Zebuínas. As raças Taurinas são animais provenientes da Europa, apresentam alta produtividade e desempenho, porém são animais com baixa rusticidade, ou seja, animais mais sensíveis às condições climáticas e de manejo. Portanto, são animais mais adaptados a regiões onde as temperaturas são mais amenas, como a região Sul. 

As raças Taurinas mais comuns no Brasil são a Holandesa, Jersey e a Pardo Suíça. As vacas holandesas, por exemplo, são reconhecidas pelo seu alto potencial produtivo, porém sua produção diminui significativamente nos dias mais quentes do ano, mesmo em regiões de clima mais ameno como a região sul. A zona termoneutra (temperatura ideal), para vacas holandesas, situa-se entre 5 e 26oC. Por esse motivo, o uso de ferramentas como ventilação e aspersão são imprescindíveis para manter a produção de leite/animal/dia estável.

Já as raças Zebuínas são provenientes da Ásia, são animais mais rústicos e tolerantes a clima quente, porém com menor produção. Temos como exemplo as raças Gir, Guzerá, Sindi. 

Temos também a Raça brasileira Girolando, a qual foi formada através do cruzamento entre uma raça Taurina (Holandesa) e uma raça Zebuína (Gir), com objetivo de aliar as características produtivas e precoces da raça Holandesa com a rusticidade e adaptação a climas mais quentes da raça Gir. É uma raça que se adapta bem a praticamente todas as regiões brasileiras. 

Por esses motivos, antes de iniciar a criação de gado de leite, é importante que o pecuarista saiba e seja muito bem orientado por um técnico da área, sobre qual é a melhor raça para o seu sistema de produção e para as características ambientais ao qual sua propriedade está inserida. No Brasil, as raças mais utilizadas nos sistemas de produção leiteira são a Holandesa e Girolanda.

Quais as características do gado leiteiro?

Vacas de leite possuem características que são intrínsecas a sua aptidão para a produção de leite. Bovinos com aptidão para produção de carne, por exemplo, são animais mais musculosos, com peito mais aberto e posterior mais largo, sem ossos evidentes, pois todo alimento que consomem é destinado à sua mantença e deposição muscular.

Bovinos de leite apresentam menos massa muscular, são mais angulosos, profundos e com ossos aparentes. Diferente do que acontece com gado de corte, vacas de leite muito gordas não são boas produtoras de leite e apresentam problemas reprodutivos. 

Uma vaca de leite deve apresentar:

  • Boa conformação de úbere e tetos;
  • Boa conformação de membros locomotores e cascos fortes;
  • Alta produção de leite com bom percentual de gordura e proteína; 
  • Ter boa fertilidade e facilidade ao parto;
  • Boa persistência a lactação; 
  • Serem animais longevos e saudáveis, pois permanecem na propriedade por no mínimo 5 lactações.

Mas você, leitor, deve estar se perguntando, dentre tantas raças de gado de leite e cada qual com suas características produtivas, qual é a raça de vaca de leite que mais produz? Saiba mais no próximo tópico!

Qual é a raça de gado leiteiro mais produtiva?

Vaca de raça holandesa

A raça Holandesa, conforme já mencionamos anteriormente, é uma raça Taurina de origem europeia especializada na produção de leite, conhecida mundialmente com a raça de maior aptidão. 

No Brasil, é bastante utilizada na região sul do país (Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul). Por ser uma raça originalmente de regiões frias, tem baixa tolerância a climas mais quentes. No entanto, como já mencionado anteriormente, é uma raça muito utilizada em cruzamentos, melhorando os índices de produção leiteira do país como um todo.

A produção de leite de animais da raça Holandesa varia conforme o sistema de produção e o manejo adotados na propriedade. No Rio Grande do Sul existem registros de controle leiteiro em fazendas acompanhadas por nossa equipe, com produção média do rebanho de 30 a 40 litros/animal/dia.

Durante o torneio leiteiro da 45º EXPOINTER, realizada em Esteio/RS, a campeã, vaca adulta, produziu 80,94 kg de leite em um único dia. Já a campeã, vaca jovem, produziu 80, 08 kg de leite em um único dia. Outro exemplo de recorde de produção de gado de leite no Brasil ocorreu durante o torneio leiteiro da AGROLEITE 2022, considerada a vitrine tecnológica do leite na América Latina, realizada anualmente em Castro/PR, a grande campeã produziu em três dias, uma média de 97,92 litros de leite.

Vale lembrar que para rebanhos de alta produção, é importante que o pecuarista esteja sempre atualizado sobre técnicas de manejo, práticas nutricionais, produção de volumoso com alta qualidade, investir em material genético e instalações adequadas para o conforto dos animais. Afinal, são fatores decisivos no aumento dos índices produtivos da propriedade.  

Saiba o que é preciso para iniciar a atividade leiteira

O primeiro passo é conhecimento. Investir em qualquer negócio requer sabedoria, e um bom ponto de partida para criar gado leiteiro é conversar com pessoas que já estão na atividade. Conhecer e identificar o mercado e suas tendências ao longo do ano (oscilações de custos de produção e preço pago pelo leite) também é fundamental. 

Além disso, é importante discutir quais são as dificuldades encontradas por outros pecuaristas dentro do setor, bem como conhecer quais serão os investimentos necessários.  Busque também saber quais os modelos de produção e dentro deles qual se encaixa para sua realidade e seus objetivos futuros. 

É importante ter em mente qual é a área que você tem disponível para iniciar seu negócio, mas é claro que tudo isso irá depender do tamanho do rebanho.

Considere, também, qual será o espaço disponível para pastagem. Essa pastagem que será implantada ou trabalhada é a melhor e mais adaptada ao sistema de produção e região da sua propriedade? 

Faça também um levantamento da necessidade de produção de volumoso conservado para a época de escassez de pastagem. Se o sistema escolhido for o confinamento, qual é a área necessária para produção de alimento para todo o ano? Possui espaço para área de manejo do gado de leite, sala de ordenha, armazenamento e resfriamento do leite?

Além dos pontos citados, faça um levantamento das instalações, avaliando as condições de cercas, cochos de água, áreas de alimentação dos animais, áreas para as fases de cria e recria de novilhas, ferramentas e equipamentos necessários. 

Com auxílio de um técnico, identifique qual é a melhor raça de vaca de leite para a sua realidade e seus objetivos.

Após todo esse levantamento de informações, faça uma autoanálise! Você está apto a trabalhar com gado de leite? 

Sempre busque conhecimento técnico, participando de treinamentos e cursos de manejo, reprodução, produção de volumosos, manejo de pastagens, controle financeiro e empreendedorismo. 

Lembre-se, sua propriedade é um negócio, e como negócio precisa ser bem administrado para se tornar rentável.

Tenha sempre um técnico de sua confiança para auxiliá-lo na tomada de decisões dentro da sua propriedade.

Conheça nossa linha específica para pastagem clicando no botão abaixo!

Vaca em gramado. CTA de conversão

Este artigo foi útil? Avalie

Compartilhe:

CONTEÚDO TÉCNICO

CONHEÇA MAIS CONTEÚDOS

2 min de leitura São inúmeras as funções dos elementos minerais no organismo animal, podendo a carência de um único elemento ocasionar...
3 min de leitura Apesar de estarem diretamente ligados, esses parâmetros não querem dizer a mesma coisa. Entenda a diferença entre solubilidade...
5 min de leitura Os minerais constituem de 4 a 6% do peso total do animal, destes, 1% corresponde ao fósforo. Saiba...

POSTS RELACIONADOS

Sal mineral importância
4 min de leitura Muitos produtores questionam a importância do sal mineral na alimentação do gado. Neste artigo, vamos esclarecer como o sal mineral não é...
Vaca Holandesa
3 min de leitura A vaca Holandesa, reconhecida por sua impressionante capacidade de produção leiteira e suas características marcantes, é uma raça de grande importância na...
Vaca de leite e bezerro se alimentando no pasto.
8 min de leitura Um dos fatores essenciais para garantir que as vacas alcancem alta produção de leite é a nutrição adequada. Ela desempenha um papel...
Diferimento de pastagem: área de pastagem com capim verde.
4 min de leitura Se você tiver dúvidas em relação ao diferimento de pastagem, convido você a ler este artigo especialmente escrito para você. A sazonalidade...
Pastagem de capim brachiaria com algumas árvores.
4 min de leitura Quer saber mais sobre capim brachiaria? Acesse aqui e leia o artigo completo!
campo verde com um rolo de feno.
4 min de leitura O feno é uma fonte crucial de volumoso na alimentação do rebanho, sendo composto por gramíneas, leguminosas e plantas herbáceas. Esse alimento...

Você já viu os catálogos de produtos da mosaic fertilizantes?