Quais são as formas de criação de gado bovino?

4 min de leitura

O gado bovino abrange bois e vacas, que são criados em todo o mundo destinados a diferentes objetivos. Esses animais são fundamentais para a vida do ser humano, seja produzindo carne, leite e outros derivados que contribuem com a economia da região onde pertencem. Contudo, para garantir a qualidade dessa cadeia produtiva, todas as técnicas de criação devem ser realizadas com cuidado e atenção. 

Nesse contexto, o manejo adequado é imprescindível para garantir a qualidade do produto que chega até a casa do consumidor, que está diretamente relacionada aos cuidados que esses animais recebem ainda nos estágios iniciais. Conhecer o que está envolvido nessa atividade, é fundamental para aumentar a conscientização e valorização da cadeia pecuária.  

Continue a leitura e entenda mais sobre as diferentes formas de criação do gado bovino, bem como a importância de que essa atividade seja feita de forma responsável!

Qual a importância da criação de gado bovino no Brasil?

A pecuária no Brasil desempenha um papel importante no setor pecuário. Afinal, o país possui um rebanho expressivo com 224,6 milhões de cabeças de gado bovino, segundo o IBGE. Dentre essas espécies, estão as raças de corte Angus, Nelore e Brahman e, raças de leite como Holandesa, Gir e Guzerá. 

Apesar do alto crescimento do setor, ainda é necessário investir em boas práticas de manejo e minimizar os impactos ambientais. A pecuária contribui para o desenvolvimento econômico do país, gerando empregos e atendendo as demandas por proteínas de origem animal – uma vez que a carne e o leite desempenham papéis cruciais na nutrição da população.

Além disso, o Brasil é exemplo de produção bovina, reconhecido mundialmente como um dos principais produtores e exportadores de proteína de origem animal, o que fortalece a balança comercial do país. 

Como funciona a criação de gado bovino?

A criação de gado bovino no Brasil está dividida nos sistemas extensivo, intensivo e semi-intensivo. Cada um deles está relacionado ao tipo e espaço da área onde o rebanho será criado, o que vai impactar também em intervenções nutricionais e tecnológicas para que o gado possa se desenvolver de forma saudável, sustentável e lucrativa. 

Conheça na sequências as características e principais vantagens de cada uma dessas criações bovinas: 

Extensiva

A forma de criação extensiva envolve a criação de gado em grandes pastagens, onde o animal se desenvolve livremente. Devido ao baixo investimento, esse é o sistema mais popular na pecuária brasileira, presente em quase 90% dos rebanhos. 

Contudo, esse é um dos sistemas mais desafiadores na nutrição desses animais, já que eles vão caminhando ao longo das propriedades e acabam ingerindo forragens sem muito valor nutricional. Isso acaba exigindo um maior investimento na reposição de minerais e suplementação desses animais. 

Fora o desafio dos pecuaristas no manejo nutricional do gado, esse sistema também exige um planejamento sustentável para o uso das áreas, que acabam enfrentando a deterioração constante das pastagens. Com estratégias ecológicas e que levam em consideração a saúde e bem-estar desses animais, a criação extensiva tende a ser a mais vantajosa. 

Intensiva

A criação de gado bovino em sistema intensivo acontece em espaços menores e controlados. Nessas áreas não há pastagens e se faz o uso de cochos para alimentação de gados de leite e de corte, que são criados de forma separada. 

Como os animais possuem menos espaço para circulação, esse sistema exige uma dieta balanceada e o respeito aos limites de lotação da área, tanto por questões sanitárias, como também para evitar problemas no bem-estar do animal. Apesar dos desafios, esse é o método que mais permite o controle da criação, visto que os gados podem ser assistidos de perto pelo produtor, o que ajuda na identificação de problemas. 

Esse manejo mais próximo do animal também permite acelerar os objetivos do pecuarista, já que é possível alterar variáveis que impactam diretamente no resultado final. Não é por menos que é um dos métodos que mais usa ferramentas tecnológicas para reprodução, nutrição e monitoramento. 

Semi-intensiva 

O sistema semi-intensivo equilibra o melhor das estratégias extensiva e intensiva, onde os animais são criados a maior parte do tempo soltos, mas são confinados para controle nutricional e manejo de outras variáveis conectadas ao objetivo do produtor. Contudo, nesse tipo de criação a área disponível para o animal é menor, o que exige um manejo sustentável ainda mais eficiente. 

Esse é um sistema que pode ser usado de forma complementar, dependendo do objetivo com o animal. Quando há redução da pastagem, por exemplo, esse sistema pode ser usado de forma complementar ao sistema extensivo para oferecer uma atividade mais sustentável, até que a área se normalize. Assim, é uma prática bastante democrática e que pode ser acionada conforme a necessidade da área, do rebanho e também do próprio produtor. 

Como funciona a nutrição do gado bovino?

A criação do gado bovino passa por diferentes etapas e a nutrição desses animais é um dos pilares para obter sucesso na atividade. Especialmente na bovinocultura leiteira, focada na criação do gado leiteiro, essa etapa precisa ser analisada com muito cuidado, já que vai influenciar diretamente na composição do leite. 

Em síntese, a nutrição envolve três principais categorias: 

  • Volumoso: a base da dieta dos bovinos costuma ser constituída por alimentos volumosos, que envolvem alimentos ricos em fibras e com baixa concentração de energia, como pastagem de alta qualidade (capim), silagem e feno, que fornecem as fibras necessárias para o bom funcionamento do sistema digestivo dos animais;
  • Concentrado: alimentos que possuem baixo teor de fibra, mas são energéticos ou protéicos, como grão de milho, soja e farelo de algodão. Com isso, os animais ganham peso;
  • Suplementação: utilizada para fornecer nutrientes específicos que possam estar em falta na dieta dos animais. Por exemplo, vitaminas, minerais e outros aditivos alimentares essenciais para saúde e desempenho dos bovinos.

Em todas as fases de vida dos ruminantes, a pastagem está presente, pois ela é a base da alimentação desses animais. Para garantir um pasto de qualidade, conheça o MPasto, um fertilizante para pastagens que pode te ajudar em qualquer período de criação.

Este artigo foi útil? Avalie

Compartilhe:

CONTEÚDO TÉCNICO

CONHEÇA MAIS CONTEÚDOS

2 min de leitura São inúmeras as funções dos elementos minerais no organismo animal, podendo a carência de um único elemento ocasionar...
3 min de leitura Apesar de estarem diretamente ligados, esses parâmetros não querem dizer a mesma coisa. Entenda a diferença entre solubilidade...
5 min de leitura Os minerais constituem de 4 a 6% do peso total do animal, destes, 1% corresponde ao fósforo. Saiba...

POSTS RELACIONADOS

Engenheira agrônoma profissional com tablet digital trabalha em campo
2 min de leitura O Livro Caixa Digital do Produtor Rural (LCDPR), instituído pela Instrução Normativa RFB n.º 1.848, de 28 de novembro de 2018, é...
Vacas e dois homens em fazenda - pecuária sustentável
3 min de leitura A pecuária sustentável é uma perspectiva que combina práticas econômicas, ambientais e sociais para possibilitar um futuro próspero e equilibrado no setor...
silagem-de-sorgo
4 min de leitura A silagem de sorgo é uma alternativa interessante para otimizar os sistemas convencionais de produção animal, que em alguns casos não tem...
Veterinário fazendo inseminação artificial em uma vaca
3 min de leitura Imagine ter um rebanho com genética superior, livre de doenças e com produtividade otimizada. A inseminação artificial de bovinos torna essa realidade...
3 min de leitura O capim BRS Zuri ou Zuri (Panicum maximum cv. Zuri), desenvolvido pela Embrapa em 2014, se tornou uma alternativa interessante para a...
Boi sendo pesado.
4 min de leitura Calcular o peso do boi é uma prática essencial para os pecuaristas que buscam garantir a rentabilidade dos seus negócios, tanto por...

Você já viu os catálogos de produtos da mosaic fertilizantes?